As eternas canções de Grant Hart no Hüsker Dü

Grant Hart em SP #RIP

Grant Hart #RIP

Esse post é uma homenagem a um super ídolo musical desse blog, já que o hoje falecido Grant Hart nos brindou em seu Hüsker Dü com sonzeiras eternas como Don’t Want to Know if You Are Lonely (um dos maiores hits do grupo), She’s a Woman (and now he is a man) e Too Much Spice, composições que sei de cór e que embalaram minha adolescência.

Nos longínquos anos 80 a melhor banda alternativa norte americana era sem dúvida o Hüsker Dü.

A cena por lá, girava ao redor das College Radios, onde grupos “alternativos” como REM, The Replacements e Hüsker Dü dividiam espaço com bandas britânicas como The Smiths, New Order, Love and Rockets, New Model Army, Echo and the Bunnymen, PIL, Siouxsie and The Banshees, Simple Minds e os irlandeses do U2.

Entre todos esses grupos, o Hüsker Dü se destacava pela energia Punk, embalada por uma autêntica melancolia pós hardcore, que se expressava em versos cortantes e numa dinâmica de partes nervosas e gritadas e partes melódicas e tranquilas.

Eram o proto grunge, e ponto. Sendo a banda amada por devotados fãs nos 80’s.

O trio foi formado no final da década de 70 por Hart, Mould e pelo baixista Greg Norton, e lançaram álbuns seminais como “Zen Arcade” (1984), Candy Apple Gray (1986) e Warehouse: Songs and Stories (1987), antes do fim em 1988.

Se você adora Foo Fighthers, Nirvana e toda estética desse rock que virou a cara de Kurt Cobain e Cia, é uma boa dica cair de cabeça na obra do Hüsker Dü, banda dos compositores Bob Mould (voz e guitarras) e Grant Hart (bateria e voz), que quase sempre assinavam individualmente as faixas.

Bob Mould era o líder do combo e principal compositor, foi cortejado pelo grunge nos 90’s e se destacou na banda Sugar e como solista, já Grant Hart apesar de ter lançado elogiados álbuns com no trio Nova Mob, não emplacou como solista, se dedicando também às artes plásticas entre álbuns solo marcados por muita angústia e sofrimento.

Mas ao prestar atenção às suas criações na banda, notava-se em Hart um compositor mais do que inspirado… era como se fosse o George Harrison da banda, já que suas poucas canções eram sempre certeiras e se destacaram pra valer na discografia da banda.

Hart esteve no Brasil em 2013 em ótimo show que fez para poucos (há quase 4 anos), mas que me marcou ao vê-lo envelhecido e vitima de uma trajetória de vícios e problemas de saúde. 

Garimpamos da apresentação esses 2 vídeos abaixo:

Obrigado Grant Hart, sua arte é eterna em nossa memória !!

Fiquem com a Playlist: As melhores canções de Grant Hart no Hüsker Dü !!

 

Sobre o autor(a):
Testemunha ocular e sobrevivente dos anos 80, com vasta experiência como público pagante de shows e festivais, amante dos melhores sons e estilos. Nativo Digital e idealizador do Blog Vishows. Blogueiro Ativista, Podcaster, Educador Social, Empreendedor e Profissional de Marketing e Comércio Eletrônico.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: