A trilha sonora + playlist da série Dark e nossa homenagem à roqueira alemã Nena

A série alemã Dark, chegou com com grande repercussão à plataforma Netflix no final de 2017, juntando fãs órfãos das séries Stranger Things e Twin Peaks, que haviam recém acabado.

A super intrincada trama, mostrou nos seus 10 episódios originais, linhas temporais paralelas que envolvem as famílias da cidade de Winden, cuja a existência real é uma intriga à parte (ver aqui no link), numa história onde personagens interagem sem seguir a lógica habitual dos enredos lineares.

Dark

Mas o que mais me chamou a atenção foi a ligação da série com sua trilha sonora, em especial a emblemática roqueira teutônica Nena, estrela mundial nos anos 80, com seu hit intergalático 99 Luftballons (1984).

Mas em Dark, quem brilha mesmo foi seu single de 1984 – Irgendwie Irgendwo Irgendwann (que teve uma versão internacional em inglês – Anyplace Anywhere Anytime), e que foi escolhida justamente por abordar a questão do tempo, aparecendo com destaque em momentos da primeira temporada.

Nena – Dark Song

Numa tradução livre do alemão, a letra diz… Na queda através do tempo e espaço, acordado de um sonho, apenas um breve momento que depois retorna para a noite… De alguma forma, em algum lugar, em algum momento… confiram na íntegra.

O vídeo original é uma pérola !! Saquem o dançarino de patins… e a linda Nena 😉

A canção, composta por Nena e por seus parceiros de grupo, Jörn-Uwe Fahrenkrog-Petersen e Carlo Karges, teve além das versões em alemão e inglês da cantora, dezenas de outras outras regravações, se destacando o dueto da própria Nena com a inglesa Kim Wilde em 2003, quando lançaram essa ótima versão bilíngue.

Mas não só de Nena vive a trilha sonora de Dark, que tem sons originais compostos por Ben Frost em perfeita sintonia com o clima de suspense da série, e que junto à ótimas canções dos 80’s e de algumas sonzeiras alternativas atuais, fazem uma ótima playlist para curtir com os adeptos da história.

A abertura de Dark tem a canção “Goodbye” com o grupo eletrônico Apparat (com Soap & Skin), que também aparece no primeiro episódio, assim como o dream pop de “Nightfall” interpretada pela americana Mimi Page.

De “Irgendwie Irgendwo Irgendwann” já falamos, até por ser peça chave na trama, mas ainda temos o folk de “Industry” com a sueca Mire Kay que se destaca no episódio 2, assim como “Familiar” com Agnes Obel que brilha no terceiro capítulo da série.

Ainda temos “Keep the Streets Empty for Me” com o projeto sueco Fever Ray (quarto capítulo), “When I Was Done Dying” (nono episódio) com o americano Dan Deacon e a explosão final do episódio 10 com “A Quiet Life” com Teho Teardo e Blixa Bargeld.

Entre as originais dos 80’s se destacam o metal nervoso do Kreator que aparece com “Pleasure to Kill”, o pop do grupo ABC em “The Look of Love”, “Shout” com os Tears for Fears e o hit arrasador do Dead or Alive – “You spinning me round” (like record).

Confiram nossa super playlist !!

O sucesso de Dark foi enorme, e a 2ª temporada já foi confirmada, mas só deve chegar ao serviço de streaming no início de 2019, enquanto isso podemos ver o teaser e as primeiras imagens das gravações que já estão rolando em Berlim.

Radiohead em São Paulo – Como foi o show no Allianz Arena


Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: