Uma playlist para os inesquecíveis Steely Dan

Uma das bandas mais interessantes da história do Rock é o Steely Dan, em especial pela qualidade das gravações e dos músicos escolhidos para participar cada faixa de seus álbuns e singles, sempre repletos de bom gosto num mix pop onde estilos como o soul, rock, jazz e até o reggae se encontram com um destino comum, se transformar em canções perfeitas e hits eternos.

Steely Dan

Nessa data que marca a passagem de seu fundador Walter Becker (67 anos), resolvemos homenagear a incrível carreira do grupo com uma playlist com seus 10 mega hits mais perfeitos.

A banda surgiu nos anos 70 em parceria com o talentoso Donald Fagen, com a dupla recrutando sempre um time de peso para criar álbuns definitivos como Can’t Buy a Thrill (1972), Pretzel Logic (1974), Aja (1977) e Gaucho (1980).

Apesar de diversos tours desde a reforma do grupo após seu fim oficial em 1981, o Steely Dan sempre foi uma banda de estúdio, por onde passaram diversos convidados como Michael McDonald, Larry Carlton, Lee Ritenour, Chuck Rainey, Wayne Shorter, Rick Marotta, Bernard Purdie, Victor Feldman, Michael Omartian, Mark Knopfler, Jeff Porcaro e muitos outros.

Segue nossa playlist comentada com 10 sons fodásticos do Steely Dan

Do It Again – o primeiro grande hit da banda foi lançado em 1972, como single do disco “Can’t Buy a Thrill”, sendo uma das canções mais tocadas no planeta no ano seguinte. Existe uma versão curta para as rádios sem o solo incrível de órgão, mas foi a versão completa com sua levada cheia de balanço que conquistou o mundo.

Bodhisattva – O lado B do single Hey Nineteen é tão bom quanto o lado A, e por isso mesmo acabou ganhando vida pŕópria na mítica carreira do Steely Dan. A canção com letra mística que fala de iluminação é um jazz elétrico bem intrincado com solos e vocais grandiosos, numa amostra das possibilidades sonoras múltiplas do grupo.

Rikki Don’t Lose That Number – a canção é uma campeã de execução nas rádios FM desde os anos 70, com uma pegada de balada rock de amor não realizado, que apesar do super solo de guitarra tem uma base decalcada de um clássico da Blue Note de Horace Silver – “Song for My Father”, mostrando a ampla fonte de inspirações e colagens da dupla Fagen e Becker.

Pretzel Logic – sonzeira de 1974 do álbum homônimo, tem letra sensacional que fala em conhecer Napoleão, viagens no tempo e solo de guitarra incrível do próprio Walter Becker. Foi o segundo hit do álbum, com bom destaque nas paradas mas que ganhou mesmo presença com o tempo… se impondo pela intensa musicalidade e sofisticação.

Dr Wu – o incrível arranjo de Dr.Wu é um destaques de “Katy Lied” quarto álbum do Steely Dan, lançado em 1975. A canção tem seu lado polêmico, já que muitos alegam se tratar sobre abuso de heroína. O certo é que além da sofisticação característica do jazz-rock da banda, a composição mostra uma relação entre narrador, a personagem “Katy” o tal “Dr.Wu”, sendo até hoje uma história cheia de versões e hipóteses.

Kid Charlemagne – a super fusão de hamonias jazzisticas em levada funk do single de 1976, foi um super sucesso do grupo na época de seu lançamento, chegando no top 100 de singles do ano em boa parte do planeta. As letras novamente falam sobre drogas, dessa vez no contexto da cena psicodélica dos 60’s, entre corais e metais certeiros, com destaque para as guitarras cheias de estilo de Larry Carlton, sonzeira que foi sampleada em 2007 no álbum “Champion” de Kanye West.

Haitian Divorce – canção sensacional marcada pela guitarra em talkbox, gravada por Dean Parks em estúdio e remixada por Walter Becker na pós produção. Embalada num inteligente reggae, os excessos e decadência de um casamento, que ironicamente pode acabar sem dramas ou remorsos graças a um bem vindo divórcio à jato feito no Haiti. Lembrando que também existe um romance noir de ficção de mesmo nome 🙂

Peg – super canção de 1977 do inspirado disco “Aja”, Peg é um dos sons mais acessíveis do grupo, sendo um exemplo perfeito de canção soft rock que era tendência para conquistar o público adulto da época. O incrível solo de guitarra de Jay Graydon é um dos destaques dessa sonzeira, que faz menção a uma antiga atriz dos anos 30 – Peg Entwistle, falecida antes de sua estréia nas telas de cinema, ao saltar da letra H do famoso letreiro de HOLLYWOOD.

Hey Nineteen – talvez a maior pérola pop do repertório da banda, o single de 1980 do álbum “Gaucho”, tem um verso repetido como mantra: The Cuervo Gold/The fine Colombian/Make tonight a wonderful thing – algo como Tequila e Cocaína fazem a noite uma coisa incrível… mostrando todo hedonismo da banda e da era que estava prestes a se encerrar com toda paranóia dos anos 80.

Babylon Sisters – balada perfeita que abre o último disco da fase clássica do grupo e marca o perfeccionismo dos caras em estúdio. Nela o protagonista dirige para o Oeste na Sunset… acompanhado por 2 profissionais do sexo… na busca do sonho eterno de juventude e de uma Califórnia mítica, tudo numa levada sensacional de jazz groove, envolvendo o narrador em plena crise de meia idade.

 

 

Sobre o autor(a):
Testemunha ocular e sobrevivente dos anos 80, com vasta experiência como público pagante de shows e festivais, amante dos melhores sons e estilos. Nativo Digital e idealizador do Blog Vishows. Blogueiro Ativista, Podcaster, Educador Social, Empreendedor e Profissional de Marketing e Comércio Eletrônico.

Deixe uma resposta