Pearl Jam mostra o grunge preservado pela autenticidade no LollaBrasil 2018

Pearl Jam emociona e se mostra gigante ao vivo no Lollapalooza Brasil 2018

O celebrado festival Lollapalooza se firmou no cenário nacional, garantindo ao primeiro semestre sempre uma sequencia legal de shows.

Nesse ano, ao trazer o Pearl Jam como uma das principais atrações, garantiu a alegria de roqueiros que pegaram de frente a onda grunge dos 90’s, mas também deu um presente a todos que curtem o estilo.

Já que o grupo, sem nenhuma trucagem faz sempre super show.

Ver o Pearl Jam ao vivo é emocionante e mesmo intenso, os caras vão sempre além dos hits de outrora, como a mídia mainstream insiste em destacar em preguiçosas resenhas.

Pearl Jam Brasil 2018

Na real, a noite de sábado do Lollapalooza foi quase toda do Pearl Jam, que concentrou enorme público, congregando seus heroicos fãs com boa parte da audiência que colou com o fim da apresentação do Imagine Dragons, que tocou no palco ao lado.

No meio do show, postei uma pergunta… seria o Pearl Jam a maior banda de rock dos anos 90 ?

Recebi apoios e críticas de quem citou Nirvana, Pixies, Blur, RATM, Oasis e muitos outros. Mas é inegável o impacto de Eddie Vedder e sua turma, que conseguiu, álbum por álbum, construir um repertório invejável.

Mike McCready é um dos maiores guitarristas do mundo, e ontem deixou isso claro.

Citou Hendrix mais de uma vez, e encarou de frente solos fodas sempre com um super sorriso no rosto.

Correu, pulou, solou de costas e se jogou na galera em performance que exigiu entrega total ao show.

Na minha opinião, brilhou até mais que Vedder e o super baterista Matt Cameron, que assim como a banda toda, estavam em noite inspirada.

No super cover de Comfortably Numb, do Pink Floyd, falaram de Roger Waters e surpreenderam pela brilhante execução.

Falando em covers, tocaram antes “Mountain Song” (Jane’s Addiction), com o aniversariante Perry Farrell como convidado, “Pulled up” (Talking Heads), citando David Byrne como gênio e “Baba O’Riley” (The Who).

O público realmente era bem diverso, juntando sobreviventes do grunge, roqueiros clássicos que finalmente se renderam ao Pearl Jam, e muita gente mais nova que aproveitou o festival para ver pela primeira vez a banda.

Nessa galera, a felicidade era óbvia, pois acostumados ao rock higiênico e pasteurizado de bandas como Coldplay e Foo Fighters, tiveram a oportunidade de sacar – o que o rock tem de foda, quando é tocado com a intensidade e verdade que os caras conseguem impor em cada apresentação.

Do Pearl Jam, nunca se sabe ao certo o setlist. Tratam tudo dentro de uma ideia de viver o momento, e entre quase 100 canções ensaiadas, decidem pouco antes de entrar no palco o que vão tocar naquela noite.

Se no show do Lolla a banda não tocou várias baladas adoradas por aqui, a real é que não fizeram nenhuma falta.

Nosso herói, Eddie Vedder, mandou bem apesar da rouquidão, que deu até um charme extra à interpretação de algumas canções, e todos mostraram que ainda tem muito gás pra dar, como a nova “Can’t deny me” demonstra, já antecipando o próximo álbum.

O rock precisa dessa bomba semiótica que foi o Pearl Jam nessa noite, que bom que foi transmitido ao vivo. Tomara que tenham plantado suas idéias Brasil afora.

E para responder meus colegas que responderam a provocação sobre o Pearl Jam ser a maior banda dos 90’s, uma verdade tem que ser dita… na ATIVA quase sem interrupções, já é fato que são uma das maiores bandas de rock da história, e provavelmente uma das que fazem os melhores shows entre todas elas.

Que os deuses do rock os protejam !! Longa vida ao Pearl Jam !!

Setlist Pearl Jam no Lollapalooza Brasil 2018

  • Wash
  • Corduroy
  • Do the evolution
  • Why go
  • Mind your manners
  • Elderly woman behind the counter in a small town
  • Can’t deny me
  • Even flow
  • Mountain song (Jane’s Addiction com Perry Farrell)
  • Breath
  • Pulled up (Talking Heads)
  • Unthought known
  • Jeremy
  • Sirens
  • Down
  • Better man
  • Hold on
  • Black
  • Once
  • Lukin
  • Porch
  • Smile
  • Comfortably numb (Pink Floyd)
  • Alive
  • Baba O’Riley (The Who)
  • Yellow bedbetter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: