Paul McCartney 2017 – Tudo é puro amor em SP

Paul McCartney é um Beatle. Essa é a frase mais ouvida entre o público dos shows do cantor inglês, que passou mais uma vez por São Paulo em outubro.

Quem o vê pela primeira vez acaba achando difícil de acreditar que está em sua presença, e as lágrimas, claro, rolam. Não é difícil entender porquê os shows de Paul sensibilizam.

Ele é o cara da banda que cantava “All We Need Is Love” (“Tudo o que Precisamos é de Amor”) e continua acreditando e defendendo em novas e velhas canções que a vida é linda e que o mundo pode ser melhor para se viver.

Repertório não falta.

Paul McCartney – Allianz Parque 2017

Dessa vez, em homanagem aos 50 anos do disco “Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band”, o beatle mandou ver na velharia de sua antiga banda, muito além do que fez em seus últimos shows.

Ele simplesmente abriu o show com “Hard Day’s Night”, e jovens e maduros na plateia pularam ao som de “Drive My Car”, “Love me Do”, “Lady Madonna” e “Obla Di Obla Da”. Também choraram de emoção ao ouvir “Blackbird”, “Eleanor Rigby” e “Something”, a homenagem que ele sempre faz a George Harrison, morto em 2001.

Paul repetiu a dose daquelas que não podem faltar, como “Can’t Buy me Love”, “Live and Let Die” (com os tradicionais fogos de artifício), “Let it Be” e “Hey Jude”, esta última teve a ajuda de plaquinhas promocionais que foram distribuídas ao público com o refrão (“Na na na na”).

Paul 4 Ever

Impossível não chorar aos versos de “Pegue uma canção triste e a transforme em uma melhor”

Simpático, o músico dividiu o coro do público entre “manos” e “minas” e preparou um discurso em português para explicar o significado da escolha de cada canção.

View this post on Instagram

#alianzparque #beatles #paulmacartney

A post shared by Adriano Cardozo (@adriandepol) on

A sua mulher atual, Nancy, foi homenageada com “My Valentine”, música do último álbum “New”(2013) e a saudosa mulher Linda McCartney não ficou de fora das homenagens. Morta em 1998, ela foi a grande companheira de Paul, fez parte de sua banda “Wings”.

Para ela, uma das canções recentes mais marcantes de Paul: “Maybe I’m Amazed”, original de seu disco homônico de estréia em 1970.

Dias melhores virão, porque, claro, Paul estará sempre por aqui. O público torce, ainda, por mais clássicos de sua carreira solo, como “No More Lonely Nights” e “Evory and Ebony”. É só esperar.

Fiquem com o setlist da apresentação paulistana de Paul McCartney
– A Hard Day’s Night (The Beatles)
– Junior’s Farm (Wings)
– Can’t Buy Me Love (The Beatles)
– Jet (Wings)
– Drive My Car (The Beatles)
– Let Me Roll It (Wings) + citação de “Foxy Lady” de Jimi Hendrix
– I’ve Got a Feeling (The Beatles)
– My Valentine
– Nineteen Hundred and Eighty-Five (Wings)
– Maybe I’m Amazed
– We Can Work It Out (The Beatles)
– In Spite of All the Danger (The Quarrymen)
– Love Me Do (The Beatles) + citação de “She Loves You”
– And I Love Her (The Beatles)
– Blackbird (The Beatles)
– Here Today
– Queenie Eye
– New
– Lady Madonna (The Beatles)
– FourFiveSeconds (Rihanna + Kanye West e Paul McCartney)
– Eleanor Rigby (The Beatles)
– I Wanna Be Your Man (The Beatles)
– Being for the Benefit of Mr. Kite! (The Beatles song)
– Something (The Beatles)
– A Day in the Life (The Beatles) + citação de “Give Peace a Chance”
– Ob-La-Di, Ob-La-Da (The Beatles)
– Band on the Run (Wings)
– Back in the U.S.S.R. (The Beatles)
– Let It Be (The Beatles)
– Live and Let Die (Wings)
– Hey Jude (The Beatles)
Bis
– Yesterday (The Beatles)
– Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band (Reprise)(The Beatles)
– Helter Skelter (The Beatles)
– Birthday (The Beatles)
– Golden Slumbers (The Beatles)
– Carry That Weight (The Beatles)
– The End (The Beatles)

Post gentilmente realizado por Fabiana Schiavon – colaboradora Vi Shows  – Gratidão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: